Übi | DIY: o elo secreto entre o movimento punk e a Ana Maria Braga
1555
post-template-default,single,single-post,postid-1555,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-13.5,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

DIY: o elo secreto entre o movimento punk e a Ana Maria Braga

DIY: o elo secreto entre o movimento punk e a Ana Maria Braga

* Por Fernanda Amarante

Já se foi a época em que se associava a ideia do Faça Você Mesmo apenas a donas de casa fazendo artesanato para ajudar no orçamento da família. Junto com o Movimento Maker (leia o texto da Suzana Cohen) , o DIY (Do-it-Yourlself) está em alta, seja na decoração, na moda ou na eletrônica. Não estamos falando apenas do cachecol de tricô que sua avó fez pro seu cachorro no último inverno, mas de fazer em casa uma refeição com a qualidade de um restaurante ou até mesmo de produzir uma festa fantástica de um jeito mais caseiro. 

A bricolagem é um hobby cada vez mais comum num mundo pós-capitalista, hoje talvez com tantos adeptos do sexo femininos quanto do masculinos. De um lado, é praticado há décadas por mulheres preocupadas em economizar, dar um charme extra ao lar ou incrementar as refeições. Seu ícone mor é a rainha dos trabalhos manuais, a apresentadora de TV americana Martha Stewart. No Brasil, sua semelhante é Ana Maria Braga, que recentemente passou a publicar livros de receitas e também tem a sua própria revista. Do outro lado, o marido faz-tudo com seu cinturão de ferramentas que faz consertos, pinta paredes, monta seu próprio rádio e até mesmo fabrica em casa a sua cerveja!

Fazer qualquer coisa por conta própria é, normalmente, muito mais barato que comprar pronto ou contratar os serviços de empresas especializadas. A mão de obra também anda rara e cara. A crise de 2008 tem grande influência nesse ponto, em que as pessoas tem menos dinheiro pra certos luxos mas ainda querem ter prazer, e procuram outras formas de alcançá-lo. Tomar a frente e fazer o que se deseja costuma ser a saída mais viável em muitos casos, como  pequenas reformas na casa,  serviços de marcenaria, pintura, aplicação de papel de parede, etc.

Mais gostosas e mais saudáveis

Barras de cereais caseiras, mais gostosas e mais saudáveis

Outro atrativo do DIY é a grande satisfação que se tem ao fazer algo com as próprias mãos, dá uma certa sensação de poder e de realização. Mesmo no caso de conserto de algo estragado, é inegavelmente prazeroso poder dizer: “Resolvi o problema, sozinha!”. Além do quê, depender de outra pessoa para fazer um remendo, pintar uma parede, é muito chato e pode demorar.

As tecnologias atuais também têm grande contribuição nesta onda de DIY:  há equipamentos e ferramentas a preços razoáveis disponíveis no mercado e produzir qualquer coisa com recursos modernos como as impressoras 3D e máquinas de corte à laser é muito mais fácil.

A Internet e as redes sociais muito contribuíram  na disseminação do DIY, que passou a ser mainstream. A rede social Pinterest, que permite o compartilhamento de fotos e links, tem mais de 70 milhões de usuários e funciona como um quadro de inspiração. É muito prático, permitindo  manter murais com coletâneas de receitas, fotos de penteados bonitos ou de tutoriais de colares. Aliás, os tutoriais parecem onipresentes na web: tudo o que você quiser aprender a fazer pode ser aprendido em um video ou em algum tipo de passo a passo.

Tutorial prático e fácil de como colocar uma persiana fofa (crédito: Casa Montada)

Tutorial prático e fácil de como colocar uma persiana fofa (crédito: Casa Montada)

Ainda, o aparecimento do site de vendas Etsy em 2005, impulsionou ainda mais o fenômeno. O Etsy funciona como um elo entre o artesão e os clientes, além de vender materiais para a produção de artesanato. No Brasil, o semelhante Elo7 foi fundado em 2008 e já tem mais de 140 mil vendedores em todo o país.

Acreditem ou não, as origens do Faça Você Mesmo estão no movimento Punk, nos anos 70, que tinha bases muito políticas, era contra o sistema (anti-establishment) e protestava contra o governo e tudo o que acontecia no mundo na época. Para fugir das grandes corporações, surgiram gravadoras independentes e depois, para divulgar a música e as bandas, foram criadas as publicações independentes, os fanzines, que eram basicamente folhetos e mini revistas feitas em casa, muitas vezes à mão livre e depois fotocopiadas. Era o início do que já está sendo chamada de Nova Revolução Industrial. 

Fontes

Permanent Culture
Fanzines no Independent

Links

A Rainha Martha: http://www.marthastewart.com.br
A melhor coletânea de artesanato:http://craftgawker.com
Casa Montada: http://www.casamontada.com.br
Para ter uma ter uma casa linda: http://www.acasaqueaminhavoqueria.com
Uma cozinheira de mão cheia que gosta de fazer quase tudo em casa: http://www.lacucinetta.com.br

No Comments

Post A Comment