O Céu do Ano

Estamos lançando a série de artigos “O céu do ano”, proposta e editada pelo astrofísico Rodrigo Dias Tarsia, que traz informações de interesse de quem aprecia observar o céu noturno ou mesmo de astrônomos amadores principiantes. Publicaremos aqui quatro textos sobre o céu em diferentes estações. O primeiro texto é sobre “O Céu do Verão”, que poderá ser acessado clicando aqui.

Nesta seção também captamos nomes e emails de interessados em participar de turmas de cursos oferecidos pela Über Trends – Übï contemplando assuntos sobre Exoplanetas, Astronomia, Astrofísica, Instrumentação Astronômica e Fotografia Astronômica. Os interessados deverão entrar em contato com o prof. Aba Cohen, diretor de cursos da Über Trends – Übï pelo email [email protected]

 

No momento estão abertas as inscrições para o curso “Introdução à Astrofísica”, ministrado pelo prof Rodrigo Dias Tarsia, a ocorrer às 3as-feiras a partir do dia 14/03. Veja o programa e inscreva-se aqui.

 

NOTA DO AUTOR
O CÉU DO ANO

* Por Rodrigo Dias Tarsia

O objetivo dessas notas é incentivar e facilitar o acesso ao céu às pessoas interessadas em Astronomia, através de sugestões para observação de objetos interessantes. Pensando que a maioria das pessoas não possui um telescópio, escolheremos sempre objetos visíveis a olho nu ou com binóculos (7 x 50, 10 x 50 e maiores). Isso, entretanto, não impede que os objetos celestes sugeridos não possam ser vistos com telescópios. Aliás, esperamos que aqueles que possuem telescópios estendam as listas apresentadas. Na bibliografia do curso Introdução à Astronomia, há vários livros e alguns atlas e cartas celestes que permitam essas observações.

Como as estrelas nascem todo dia cerca de quatro minutos mais cedo, uma mudança apreciável do céu só ocorre a cada três meses; por isso, faremos a descrição a que nos propomos para cada trimestre, começando em janeiro de cada ano, correspondendo aproximadamente às estações do ano verão (de janeiro a março), outono (de abril a junho), inverno (de julho a setembro) e primavera (de outubro a dezembro).

Obviamente, a quantidade de objetos que podem ser observados é muito grande, e além dos sugeridos, há muito que ver em cada constelação. Esperamos que eles possam ser explorados também.

Aguardamos sugestões, críticas e comentários sobre a facilidade ou diculdade de observação em locais iluminados ou mais escuros.

Boas noites, e bom divertimento!